Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi

29
Abr13

AInda as amigas

Pi

Continuação deste post


Bárbara - A Mariana está óptima!

Mónica - Silicone.

Bárbara - E a Patrícia está na mesma!

Mónica - Botox.

Bárbara - E a Clarinha...

MónicaVais falar da boca? Colagénio.

BárbaraÍa dizer que estava firme.

Mónica - Ah, as mamas? Silicone, então.

Bárbara - Mas para ti ninguém está natural?

MónicaClaro que sim. Tu estás.

Bárbara - Ah bom, obrigada.

Mónica - Porque ninguém tinha esse ar mal dormido se pudesse pagar.


Bárbara fica sentida, Mónica prossegue sem se aperceber.

  

MónicaAlém disso, desde que há rabos e – atentem! - abdominais falsos, eu acredito em tudo. 

BárbaraRabos?! Ai, não quero saber mais nada!

Rita - Abdominais?! Pára tudo! O Henrique está a ficar tão balofo, que às vezes penso que é ele que vai a caminho do quinto. Quando puderes manda-me pormenores disso para o mail. Então e o Alberto, estava lá? 

Bárbara Sim! Sabes que se manteve loiro? 


Mónica suspira.

 

Mónica - Pintado.

 

continua...

28
Abr13

J, 6 anos

Pi

Jogamos Monopoly Junior Party e eu calho na "Festa das Princesas". Os irmãos perguntam-me se quero comprar. 

 

"Sim, gosto muito de festas de princesas"

"Grande gostamento..." ❤

 

Mais tarde ceninha de ciumes do irmão sanada com beijinhos e cócegas. 

 

Panterada (cor-de-rosa) os 3 aninhados. 

 

*dobra o cantinho*

19
Abr13

Mais das amigas

Pi

(continuação deste post)


BárbaraFoi a melhor coisa que me aconteceu...

RitaOuve, a mim também. Quatro vezes a melhor coisa que me aconteceu, uma delas sem contar. A melhor coisa, mesmo com enjôos, costuras e pontos, conseguiu ser a melhor coisa que me aconteceu. Mas não deixo de ser quem sempre fui, mesmo que já não conceba a minha vida sem crocs arrumadas por tamanhos e cores, carrinhos e monstros espalhados pela casa. E barbies, temos barbies claro. Mais as pinturas e platicinas, que parece que ganham vida e andam por todo o lado.


Mónica regressa, e ouve a conversa.


Bárbara -  Mas é muito didáctico.

Rita -  Sim querida. É tudo estupendo para estimular as crianças, etc mas ao fim de quatro eles encontram estímulos uns nos outros. Percebem que se puxarem os cabelos uns aos outros em cadeia, a sinfonia é garantida. Que se brincarem com as coisas uns dos outros, dá em festival. Neste momento crio quase as crianças von trapp. Mas em gritaria.


Bárbara prepara-se para intervir, mas é interrompida por Rita.


Rita - E não me digas que somos nós que não lhes explicamos a partilha, o amor ao próximo. Está tudo mais que dito e eles até se amam, só que tendem a morder-se de amor. Quanto às plasticinas, sim, são óptimas e até me divertia a brincar com eles, mas deixá-los à solta num parque infantil ou num centro comercial também os ensina e poupa-te os sofás.

Mónica - Mas tu nunca ligaste a isso.

RitaE não ligo. Na verdade não é o sofá, mas a cabeça que me poupa. Eu explico: desde que o Henrique meteu na cabeça que sofá de pele dá status, passei a ligar. Em pele dá status, mas a pele com plasticina fluorescente agarrada, já não. Embora no outro dia tenhamos ido a um restaurante com luz branca e sofás em pele, lá está. Aí foi muito chique, se uma das crianças revela propensão para o design de interiores, está só a ser um selvagem. Não tenho pachorra, mas como não o quero ouvir mais do que devo, levo plasticina na carteira e solto os miúdos no shopping. Então e mais coisas da reunião? 


continua... 

18
Abr13

Sabemos rir de nós? Experiência 1, 2, 3...

Pi

Rita, Mónica e Bárbara estão numa esplanada.

 

Rita - Então vá, meninas. Que é que querem, para pedirmos ao senhor?  

Mónica - Eu quero uma italiana. Em chávena fria, por favor. Com adoçante. 

Bárbara - Para mim é um abatanado, em chávena escaldada. Pode ser pingado? Com açúcar. 

Rita - Eu quero um café, obrigada.


Mónica e Bárbara entreolham-se, como se o pedido de Rita fosse estapafúrdio. O empregado retira-se. 


Bárbara - Ah Rita, devias ter ido connosco à reunião do liceu, foi tão giro!  

Rita - Ai, por favor... Eu não vos percebo. Essa ideia peregrina de encontrar pessoas do passado. Mas passado daquele à séria, da Pré-História! Eu gostei muito do liceu, mas para quê mexer no passado? Agora com as redes sociais, tão avançadas, é tudo a correr para trás. Não percebo, pronto. 

Mónica - Ó Rita, foi giro sim. Se tivesses ido tinha tido muito mais para falar, a Bárbara não tem a nossa lata. Já a teve, mas agora tudo lhe parece mal.


Bárbara, nervosa, apressa-se a justificar:


Bárbara - Mónica, eu não me importo de comentar as pessoas, agora dizer à Luisa que mais valia congelar a cara e ir à reunião dos cinquenta anos que já estava bem assim, não digo.


Mónica e Rita riem. Bárbara descontrai e acaba por rir também.

  

Bárbara - Devias ter ido, perguntaram tanto por ti. E é giro saber como estamos, quem casou, quem teve filhos...   

Rita - Ora aí está. Quatro filhos não me deixam muito tempo para isso. E mais?   

Mónica - E quem não teve... 

Bárbara - Pois! Também, também! 


Mónica dirige-se ao balcão, as amigas continuam a conversar.


Rita - Ai Bárbara, tu francamente, que mania. 

Bárbara -  Saiu-me, pronto! A Carolina também não tem filhos. Coitada...  

Rita - Coitada? Mas aconteceu-lhe alguma coisa? Está doente ou assim? 

Bárbara - Não, não. Não teve filhos, é isso. 

Rita - Ah, mas está tudo bem com ela, não está? Não estava num lugar bestial lá na empresa, com uma casa espectacular e uma independência de morrer de inveja? 

Bárbara - Sim, isso sim. 

Rita - E do que me lembro, ela nunca teve grande intenção de ter família. 

Bárbara - Pois, mas eu achava que isso seria uma fase... 

Rita -  Claramente não era, então não será “coitada”... 

Bárbara - Sim, mas não é mãe... 

Rita - Ai Bárbara, tens de perder essa mania de que as pessoas só são alguém depois de parir. 

Bárbara - Mas tu tens quatro filhos, como podes falar assim? 

Rita - Por isso mesmo! Eu antes era alguém. Agora sou a mãe da Joana, do Miguel e do Pedro. Muitas vezes sou a mãe do António. Do António, repara, que nem idade para ser gente tem! No entanto, eu já só sou a mãe dele. 

Bárbara - E então, eu sou a mãe do Rodrigo. 

Rita - Eu sei, eu sei. Só falta trocar o nome nos cartões de visita e e-mail, para deixares de ter personalidade.


continua...

18
Abr13

Instantaneos da vida virtual

Pi
- Ontem quando saí deixei a casa cheia de spray para as moscas. Cheguei, casa vazia. Hoje, vinte mil. Ai! 


Aqui igual começou a abrir-se frinchinhas de janelas, pronto-

- Não sei que fazer a isto. O ano passado tive algumas,  mas a certa altura sairam ou acabaram, sei lá.

- São fases são,  esta parece que começou mais cedo.

- Na sala, tantas tantas... Podia ser de loiças e isso, mas não. E elas nem se chegam às coisas, ficam ali a voar. 

- Ficam a pairar, ficam. Horrível.

- Sim, mesmo mosca mole. 

- :) 

- Sempre achei que era a estas que se referia o "mosquinha morta"

- ahahahahahahah 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D