Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi

21
Mar19

O pé de Koeman, o cigarro e o polegar

Pi

Faz hoje anos o Ronald Koeman. Em 2012, já na altura muitos anos depois de ter tido um ou dois posters dele no meu quarto, tanto tempo depois de eu apesar de respeitar um Real, torcer um bocadinho mais pelo Barcelona do Cruyff, muito por causa deste holandês que é até hoje o meu central de referência (sofro muito de lá para cá, eu sei).

Recordei então:

O polegar, o cigarro e o golo de Koeman

Eramos crescidas, nós. No café, eu e uma amiga. Sempre. Mais amigos de vez em quando. Os grupos iam-se formando e misturando ao longo dos meses. Eramos todos “da Manica”.

Jogavam Real e Barça e ficou uns 5-0 para o Barcelona. Por 94, para aí.

Nós, crescidas. Tinhamos aulas em sítios diferentes, encontrávamo-nos à noite, no café. E falávamos, quase sempre com assunto, quase. Ríamos muito todos, sempre.

Golos e mais golos. Todos para o mesmo lado. Nunca preferi um dos dois (ou preferia em anos alternados) e sempre tive pena do que perdia. Manias.

Cabelos, perfume, as cabeças rapadas dos hunos, o último grito em doces, o próximo corte de cabelo. Amigas a conversar. E a rir. Cafés e águas pela mesa. Cinzeiro.

Livre de Koeman e eu crescida, a seguir conversa e bola. Mais a bola. Golo. Daqueles à Koeman. Seguro a mão da minha amiga, interrompo-a para não perder pitada nem repetição: “que golão!” e sem querer apago-lhe o cigarro com o meu polegar. Rimos: “parecias um gajo, Marta!”

17
Fev19

Também estou ali

Pi
17
Fev19

Telemóveis e comentários

Pi
Sem contar muito, acabei por ver a primeira semifinal do Festival da Canção deste ano. Como muita gente, apenas tinha ouvido a música de Conan Osiris o que a colocava, no meu caso, em vantagem por ser a que me soava mais familiar. 
Depois de ouvir as oito, de muitos comentários no Twitter e várias repetições enquanto o público votava, ficaram-me no ouvido "É o que é", "Perfeito" e "A dois". Mas continuo a preferir "Telemóveis" para festival. 
Acho graça às músicas de Conan Osiris, mesmo que sejam todas parecidas. Gosto da sonoridade entre o cigano e Variações. A persona em palco tem graça e presença. O bailarino que o acompanha é fantástico e dá o colorido que pudesse faltar à actuação. 
 

Já esta manhã, estive a ler comentários à música do Conan Osiris. É certo que pouco se deve ligar ao ódio nas redes sociais, mas quis ver o que se dizia. Uma vez mais, uma simples opinião vira uma ode. Que não se percebe, que é uma vergonha, que vem a ser isto agora, mas onde já chegámos. Não aprendemos nada com o Salvador Sobral. Na altura da semifinal em que participou, também se chamou de tudo ao rapaz, poucos queriam crer que chegasse longe.

"Isto não é música" é o "fomos muita roubados", aplicado ao festival. É fácil de dizer, para uns pode fazer sentido, para outros não sabemos se o pensam sequer. Que não se goste, que se deteste, tudo é válido, cada um gosta do que quer. Mas não é música porquê? Tem melodia, tem ritmo, soa a música. Não gostam? É legítimo. Não gostem do resultado, mas não culpem o árbitro. 
 
Também li que "é um insulto à música e à dança". Quem viu a actuação dos dois rapazes sabe que houve ali dança contemporânea. Se é muito boa ou muito má, não sei avaliar, mas parece-me condizer com o resto, e acompanha bem o que se ouve. No fundo a opinião de que é insultuoso tem simplesmente a ver, na maioria dos casos, com ser estranho ao que costumam ver. As pessoas insistem em andar para aí com a fobia à androginia de fora, achando que a deixam em casa. 
Não gostem, não ouçam, votem no Matay, participem. Não se fiquem só por um "que é isto?!" da caixa de comentários. Somos um bocadinho melhores que isso. 
11
Fev19

Harry Potter, comecemos pelo fim (para o caso de voltar a escrever sobre o tema)

Pi
Eu sei, eu sei, como é que não tinha lido ainda "Harry Potter and the cursed child", se li toda a saga em tempo útil, não é? Na altura não quis prolongar a imagem dos personagens-miudos em adultos, foi isso, não há outro motivo. Custou-me ler um fim tão fechado, de futuros, casamentos e filhos, e deixei passar o tempo. Até agora, que o li em quatro ou cinco dias. 
"Harry Potter and the cursed child" traz um quentinho a quem leu Harry Potter do início ao fim. Celebra personagens desaparecidos, concilia uns, redime outros, matam-se saudades e saram-se algumas feridas. 
Só achei que alguns personagens estão menos vincados do que eram. Talvez seja parte da tal conciliação. 
 
Tive de me relembrar página sim, página não, que se trata de uma peça de teatro. Quis saber mais sobre Scorpius, que personagem adorável teria sido em mais sete livros. Quis acompanhar Albus Severus na sua infância e adolescência, mas não é essa a ideia aqui. Sendo um texto para teatro, sabemos o que nos é dado em palco e basta. Ou devia. Vejo-me ler de novo entradas na plataforma 9e3/4, viagens no Hogwarts Expresso, voltar a Diagon Alley, escolher varinhas no Olivanders, as aulas, os professores e o quidditch. Lia tudo de novo, agora com estes dois e seus (nenhuns) amigos. 
Em suma, não é um Harry Potter, mas é todo ele Harry Potter.
 
PS2: segundo o Pottermore (três vezes, em anos bem diferentes) sou Gryffindor
29
Dez18

Todos ao Trindade!

Pi

Corram, comprem os vossos bilhetes, se puderem não deixem de ir ao teatro da Trindade até 27 de Janeiro.

Que se passa afinal? Está em cena "A pior comédia do mundo" que é possivelmente a melhor do que tenho visto.

Há uma peça dentro da peça, há o palco e os bastidores - da peça e das relações entre os actores. Há um belo texto de suporte a tudo isto.

O primeiro acto começa bem, dá-nos o que precisamos para o resto: conhecemos personagens suas taras e manias, o enredo, somos até alertados para a importância dos adereços e sua deslocação ao longo de uma peça. Quando chega o segundo acto... Preparem-se para teatro espectáculo, num festival de marcações e falas tão bem interpretado quanto hilariante. 

"A pior comédia do mundo" tem encenação de Fernando Gomes, e é representada por: José Pedro Gomes, Inês Aires Pereira, Jorge Mourato, Ana Cloe, Cristóvão Campos, Elsa Galvão  Fernando Gomes, Paula Só e Samuel Alves.

Spoiler alert: não há escatologia. Sim, é possível o humor sem cocó e xixi. 

14
Dez18

Instantes suburbanos

Pi

Cenário: carruagem do comboio praticamente vazia: na parte da frente estariam cinco ou seis pessoas, na parte de trás, três contando já comigo. 

Entrou um senhor de idade, curvado e aborrecido, resmungando para uma das mulheres, sentada nos lugares reservados.

- Sentam-se no lugar reservado às pessoas ... - e agitava o jornal que trazia na mão. E tinha a sua razão. O comboio estava vazio quando ela entrou, porquê aquele lugar? Nunca percebi a preferência. 

Ah, mas pode estar grávida ou magoada e não se notar  Verdade  contemplei essa possibilidade, aqueles lugares até são mais perto da porta, teria menos para andar ao sair e tal... A resposta veio da própria. 

Aparentemente o senhor continuou a reclamar (não vi porque estava de costas para a frente do comboio), porque a dita mulher sentada nos lugares reservados começou a sua defesa, levantando a voz:

- Que é que foi? Vá você! Tanto lugar vazio e vem cá marrar comigo... 

Eu sei, eu sei, havia de facto muitos lugares vazios e o senhor devia estar mal disposto - também acredito que seja recorrente ver aqueles lugares ocupados. Mas não acho que houvesse grande argumento aqui. Dizer "vá você" ou "que é que foi?" enquanto atira a cabeça para trás, não dão razão a ninguém. Antes tivesse um pé torcido. 

Mas não é inédito. Andamos fartos uns dos outros, no virtual, no real. Ou teremos sido sempre assim? Estou a usar o plural, mas nunca teria tido aquela reacção. Nenhuma das duas, agora que penso nisso. Não saberemos falar uns com os outros se não nos conhecermos? Podia ser o pai dela, podia ser a filha dele. Falarão sempre assim? 

 

12
Dez18

Bohemian Rhapsody. Visto e adorado.

Pi
Eu sei que li algures não sei o quê sobre qualquer coisa que faltava ao filme. Não me lembro, nem importa. Não me faltou nada a não ser mais música talvez. Mas isso é um apetite que fica depois de ver Bohemian Rhapsody, não falha de quem o fez. 

Vivemos tempos em que tudo tem de ser profundo e justificado. Sinceramente não há muita paciência para fundamentalismo a toda a hora, e no cinema, no entretenimento então menos ainda. Não confundamos com exigência. Adiante. 

Eu não vivi Queen ou Freddie Mercury no seu auge. Nem sequer posso dizer que tenha vivido sem ser pela rádio ou cassetes gravadas e desgravadas por cima, com o cuidado de não apanhar vozes em cima da música.

Queen foi primeiro o "Kind of Magic" a das festas de Natal da escola e depois alguns sucessos no Top Disco, teria uma 7 ou 8 anos. 

Mas nos anos 90, logo após a morte de Freddie Mercury, ouviu-se muito Queen neste país (e suponho, pelo mundo). Deste tempo sim, tenho memória, ouvia-se, viam-se vídeos, houve uma nova educação para quem queria conhecer Queen. Na altura vi e revi um documentário sobre Freddie Mercury, que já estava meio apagado na minha mente. É dessa altura que me lembro de ouvir o Love of My Life entoado pelo público no Rio de Janeiro, na rádio. Admito que esta versão estava adormecida na minha memória e quando a adivinhei no filme, me arrepiei. 

Gostei muito de "Bohemian Rhapsody". Soube um pouco mais da banda (que casting fabuloso, até o Bob Geldof está igual - eu sei que ele não faz parte dos Queen - e o Brian May parece ter sido metido numa máquina do tempo). Não é uma biografia de Freddie Mercury, é uma vida de Queen, na qual ele teve o papel principal quer se queira quer não. 

Perceber que "We will Rock You" foi feita a pensar na participação do público, que todos eram tudo na banda, que o memorável Live Aid foi tão à pele e já com Freddie Mercury doente. Saber um pouco mais e ouvir Queen. Há piores idas ao cinema. 
27
Nov18

Pini bits

Pi

Aparentemente existem almofadas frias. Quer dizer que não é preciso virar para o lado fresquinho durante a noite, como faço desde criança? Fascinante.

06
Out18

Não olhes agora, mas tens a misoginia à mostra

Pi

Então e isto do Ronaldo agora, hã? Grande chatice e assim (eu a tentar parecer descontraída e imparcial no assunto). 

Até onde sabemos, a verdade é uma de duas e só duas pessoas a podem saber, embora pelo que li, já tenha sido admitida a pior parte (que burrice, que burrice tão grande se pode fazer em segundos) por ambos. Não me interessa que já não haja dúvidas para uns, que pareça impossível para outros, eu não me sinto capaz de escolher um lado, muito menos escrever sobre isso. Não consigo estar aqui a escrever como se ele fosse culpado, nem como se ela fosse uma mentirosa, não me cabe decidir isso nem eu quero. 

E sim, eu li o artigo no Der Spiegel. Custou, mas enfrentei, não estou aqui a falar de cor. Ali é descrito um serão como tantos outros, tirando obviamente a parte que se passa no quarto, que só as duas pessoas presentes podem confirmar. O que quero dizer é que não me custou nada acreditar naquele relato, nos diálogos, nas circunstâncias e inconsequências (na burrice, que burrice se assim foi que tudo se passou).

- Meu ric'menine me perdoe, só eu sei o quanto não quero que seja verdade. Meu ric'menine... não mo levam preso que eu não deixo, levem-me antes a mim.

Verdade verdadinha verdadeira, e onde eu queria chegar, é que tem esta história servido para ver o que se pensa por este Portugal sobre sexo em geral, mulheres em particular. E eu até entendo, juro que entendo, que a tendência, o primeiro impulso, seja pensar que se estão a tentar aproveitar do nosso menine (valha-me Deus, se sei tão bem o que é querer logo não acreditar e insultar a outra parte). Mas não pode haver dois pesos e duas medidas só porque simpatizamos com uma das pessoas. Acima de tudo, não pode tentar-se justificar uma (alegada, vá) violação com um vestido, uma dança, uma subida a um quarto. Não. E não é não. Percebem o que fiz aqui? 

- Ai não mo levam não preso que eu não deixo, antes a mim!  

Pior ainda é perceber pela conversa de café que tem havido sobre este assunto, que os preconceitos, machismos e misoginias das pessoas ficam à vista tão facilmente, não é preciso nada para que saia cá para fora a grunhice e a ignorância. Por outro lado, é a melhor forma de sabermos onde andam. Faz-se-lhes um circulo em volta a segue-se com a vidinha, evitando estas criaturas que parecem saídas de uma caverna. Sou a primeira a querer que seja mentira, mas não sejamos primitivos. 

Já nem vou falar do que se ouve pelas TVs, de pessoas que sabem que falam para muita gente, e se sentem à vontade para ridicularizar uma possível vítima, ou do que se leu já esta semana e que podemos resumir como a teoria da "com essa mini-saia estavas a pedir". Falar logo, atirar pedras para defender os nossos é fácil, difícil é esperar ponderadamente pelo que aí vem. Difícil é decidir o que, a sér verdade, se pensa daqui para a frente. Difícil é pensar que por uma estupidez, uma burrice tão grande, se terá de repensar toda uma pessoa. Ou não, lá está, a esperança é a última a morrer. 

- Riqueza que se isto tudo se volta contra ele, não sei que faço à vida. A mim, a mim é que levam!

Estamos muito atrasados no que toca a respeitar a sexualidade do próximo. Ou no conseguir disitinguir que nem tudo o que acontece aos nossos ídolos tem de ser defendido com unhas e dentes, doa a quem doer. Felizmente não seremos nós a julgar e sentenciar quem tiver de ser, porque isso sim, seria o fim do mundo. Por cada simpatia um perdão. Era o caos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D