Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Então e a bimby? Ah pois, a bimby!

Pi, 13.10.14

Deixemos aqui que entre screenshot, evernote e marcadores nunca sei onde deixo as receitas que vi ou usei.  Para não andar com massa e arroz atrás faço mais legumes, mas já sei como sou, gosto mas canso-me, por isso decidi variar. Tinha cenouras e meia couve lombarda, fiz uma espécie de puré. Fica a receita para não me esquecer de quantidades.

300g de cenoura

1/2 lombardo (a minha couve era pequena) 

120g de leite 

Uma colher de sobremesa de manteiga ou margarina 

Sal qb

Noz moscada opcional 

Deitar cenouras, couve, sal e leite no copo. Se ficar muito cheio dar uns golpes no turbo. 

Cozer 25 minutos à temperatura 90,  velocidade 1.

No fim se o líquido estiver em excesso (vai acontecer certamente se os legumes forem congelados) retirar e reservar.

Juntar meia colher de manteiga e triturar na velocidade 4/5 por um minuto. 

Com a espátula remover o que ficou nas paredes do copo e juntar ao resto. 

Juntar líquido se necessário e a manteiga restante, e se for caso disso,  a noz moscada.

Voltar a triturar um minuto na velocidade 4 ou 5.

Nota: para puré cremoso a velocidade para triturar será a 7, ou seguir a receita do puré de batata do livro base.  O meu ficou propositadamente com textura, a sentir-se a couve e a cenoura, porque também gosto assim.  Quando testar o puré actualizo o post. Isto se não me esquecer entretanto onde o deixei.  Enviado de Samsung Mobile

Dez anos de D.

Pi, 13.10.14

IMG_20141012_195614.jpg

Faz hoje dez anos. Começou o mês passado o 5º ano. Estávamos em 2004 e eu recebi a chamada do pai "já podes por no msn que és madrinha do D".

O D aos dez anos é um menino inteligente, simpático, dado, tem uns laivos de sarcasmo ao mesmo tempo que é ingénuo qb, é vivaço e também fica no seu canto a jogar ou a ler se lhe apetecer. Não é um espertalhão sempre pronto para a próxima marosca, na mesma medida em que também não é um santo. Eu sou suspeita no que toca a falar do D, não que o veja como o anjo perfeito - quem acha graça a isso? - mas até nos defeitos vejo alguma graça.

Tem sido giro ultimamente saber como lida com os sucessos e hipotéticos insucessos na escola. Começou há um tempo a perceber que é bom aluno e faz uns malabarismos psicológicos com isso. Mas o brio acabará por falar sempre mais alto, estou certa.

Parabéns, D querido.