Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

HotD. S1 E3 - Segundo de Seu Nome. Rascunhos e delírios

Pi, 12.09.22

Só umas dobradelas de cantinhos do que me pareceu mais relevante.

Curiosamente Aegon, que dá nome ao episódio, e motiva a caçada e toda a celebração do seu segundo aniversário, não está nesses destaques (desculpa, bebé). Spoilers daqui para a frente, avisando já.

  • Passaram 3 anos desde o segundo episódio... Viserys e Alicent tiveram um filho e outro está a caminho. Colocam-se novas dúvidas (para alguns, certezas) sobre a sucessão ao trono.

  • Otto propõe que Viserys case os dois filhos (Rhaenyra e Aegon), ideia que faz o rei rir. Não por serem irmãos, meios irmão no caso, entre Targaryens é tranquilo e aceitável, mas por Aegon ter apenas dois anos. Otto parece ir perdendo importância e influência, ao contrário de Alicent, mas já lá vamos.

  • Vamos percebendo que Viserys é um "dreamer", apesar de toda a sua insegurança quanto às próprias decisões e intuição - é interessante ver esta dúvida entre desejo e culpa que apoquenta Viserys, aplausos para Paddy Considine, passa perfeitamente esta ideia na sua interpretação -, será provavelmente a sua principal característica, ainda que não o assuma com propriedade, porque lá está, nem ele acredita que possa ter esse poder e a culpa sobre os acontecimentos o persegue, e assim, posso perceber melhor que não seja um dragon rider, dreamer é um poder que ombreia com esse, admito.

  • Viserys neste episódio é todo um poema. A crescente bebedeira, que primeiro lhe dá para rir, e consequente ressaca que o faz decair ao longo do episódio, em que várias personagens o tentam manipular e convencer a casar Rhaenyra conforme os seus próprios interesses, culminando na infeliz tentativa de matar um veado, preso. Toda a existência de Viserys enquanto rei se pauta por este fundo triste, de acontecimentos falhados constantes, a que se junta a eterna dúvida nas suas próprias premonições. Viu em sonhos um filho com a sua coroa, o que o faz a agora desesperar pela tomada de decisão que tomou, não sabendo se um sonho será só mesmo um sonho. Desconfiando que não...

  • Vale a pena observar Alicent Hightower ao longo destes 3 primeiros episódios. A confiança que vai ganhando sem que os que a rodeiam se apercebam muito bem, segura no seu papel de rainha, próxima de Viserys e olhando por Rhaenyra, ainda que esta não a possa ver á frente. É ela que guia agora Viserys, num episódio em que vêmos o rei meio perdido, meio ébrio. Otto julga continuar a manipular a filha, como vêmos o seu irmão fazer consigo - apesar de Otto hesitar em cumprir -, dando-lhe instruções para que faça Viserys mudar de ideias quanto à sucessão. Otto Hightower, que jurou lealdade a Rhaenyra no primeiro episódio, não esqueçamos isso, e sabe que o rei não tem intenção de mudar a sua decisão. Alicent vai falar com o rei, mas o assunto desvia-se para a guerra em Steptones e a ajuda que a rainha aconselha o rei a enviar, ao contrário do seu small Council.
  • Rhaenyra no regresso ao acampamento, parece ter vindo de um ritual de passagem. Coberta de sangue, depois de matar um javali - quando no incío do episódio a vimos recusar ir à caçada precisamente para não ter de o fazer ou ver -, de ver um veado branco, quase como uma visão (relembrando o momento muito semelhante em "The Queen", com Helen Mirren). A decisão de não o matar é simbólica de várias formas, como em não alinhar nos jogos dos lordes e senhores do reino, que não hesitariam em exibir aquela conquista a todo o acampamento. Rhaenyra escolhe deixá-lo fugir, ainda que isso pudesse dizer "não preciso de casar com ninguém para triunfar, obrigada", está acima disso (temo que esta nobreza lhe saia cara).

  • Daemon, a sua Dark Sister e o Crabfeeder. Foi guerra com cheats, ali em Steptones, não foi? Talvez nenhum código ético se aplique aqui, e se existe, Daemon Targaryen está acima das regras. Foi um momento ""You don't save me, I save me": render-se para não aceitar ajuda do irmão, já parecia uma loucura, fazê-lo como cavalo de Tróia de um homem só, e sem uma palavra toda a cena, foi o golpe baixo mais espectacular dos últimos anos de batalhas em TV. Pode ser um rato de esgoto, mas é um rato coberto de ouro. O Crabfeeder acaba cortado ao meio, mas foi uma morte offscreen.

A minha frase de eleição, neste episódio:

I gathered that from all the lions

Rhaenyra

Mais um telegraminha de Dragonstone, que é dia de ver o novo episódio, mas não queria saltar um post.