Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi

03
Out12

3 meses sem Joaninha. Do triste da vida

Pi

Não vou deixar o pior para o fim, esclareço já de entrada: a Joaninha morreu em julho. Assim, porque foi assim que nos desapareceu também. Ou assim parece: nada nos prepara, nada consola. Era minha colega, era da nossa equipa. A Joana marcou muita gente que a conheceu e isso é o que nos fica no meio da revolta de não podermos impedir a desgraça.

 

(Eu juro que quero passar o positivo, palavrinhadonra. Mas não é fácil.)

 

Eu não era a mais próxima da Joana (tenho saudades dos que eram, muitas) mas ainda a tenho bem presente, a maneira de andar, de ir a um lugar e voltar ao dela, a baixar-se ligeiramente para ser discreta enquanto sorria, do riso, das cantorias, das angustias.

Sempre me senti num big brother, não por ser observada, mas pelas horas que passamos juntos. No trabalho - e em open space então - estamos mais tempo uns com os outros do que com familiares e amigos de casa. E isso pode não significar fazermos amigos de casa, mas no caso da minha equipa gerou-se um ambiente que nos uniu e sejamos frontais, nos aguentou mais tempo do que seria de esperar. 

Havia quem revirasse os olhos quando se falava no bom ambiente, interessam os números e o resto é paisagem. Não é. Se não houvesse o ambiente no qual a Joana foi parte fundamental, tenho a certeza que teria havido mais rotatividade e mais cedo do que houve. Não tenho qualquer dúvida.

 

Toda a gente ali trabalhava, a questão nem nunca admiti que fosse essa, só conseguimos que fosse mais suportável um dia a dia mal pago e muitas vezes mal agradecido. 

Ficam-nos as memórias e as saudades. Ao dia 3 de cada mês, confortamo-nos com uma mensagem e lembrança da Joana. É o que importa no fim, que importa o resto. 

 

Esta fotografia é de janeiro, no almoço em que trocámos presentes e eu fui a amiga secreta da Joana.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D