Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Das pessoas. Mantenha a calma. Inspire

Pi, 25.10.13

Fui a uma consulta com a C e a mãe, não importa qual. Passaram-se coisas com a C de que este medico ainda não sabia.

Fiquei na sala de espera enquanto a consulta durou. Entrou uma ou outra pessoa entretanto, tudo calmo. Por ultimo entrou uma senhora que se cruzou com a C no carrinho. Não ligou à criança, tudo normal. Foi falar ao medico da C.

Enquanto estivemos na recepção não me apercebi mas esta pessoa deve ter saído porque ao chamarmos o elevador foi ela que saiu lá de dentro.

- Sou eu outra vez! - disse com um sorriso. Mas ela tinha dado sequer por nós, pensei. Não me tinha parecido nada, mas tudo bem. Plantou-se em frente ao ovinho da C, fez a maior cara de compaixão, balbuciou uns disparates, pos-me a mão no braço e disse-me qualquer coisa como "tudo se há-de compor, vai ver".

Nas escadas do prédio, enquanto eu e a mãe da C nos preparávamos para pegar no carrinho, abrir chapéu de chuva, pegar em sacos e mochilas para irmos para o carro, a nossa nova amiga parou ao nosso lado com cara de basset hound, foi pelo passeio sempre de olhos de pena postos no ovinho. E assim foi, passámos da ignorância à sofreguidão por informação em poucos minutos. Tudo porque nesse tempo ela soube que "aquele bebé" tinha "um problema".

Gostava de chamar a este post "o abutre que queria ser andorinha e falhava redondamente sempre que tentava". Bandos deles que são.

 

Enviado a partir do meu smartphone BlackBerry® www.blackberry.com