Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Live and let live ou esta era uma onda em que eu entrava

Pi, 28.10.20

Desde que não ficasse tudo piroso, vá. 

Escreveu a Alice um dia destes um post intitulado "Como lidam com os comentários maldosos no vosso blogue?". É um facto que os comentários deviam estar na ordem do dia, é assunto para trazer para cima da mesa. Desvalorizamos, ignoramos e vão proliferando os comentários amargos, zangados, disparatados e pior de tudo, violentos. Somos mesmo isto? 

Este parágrafo tocou-me particularmente porque me revi nele: 

Escrevo sempre de coração aberto, tentando chegar, desta forma, ao coração das pessoas que me leem. O meu caminho vai sempre no lado do bem e fico um pouco desarmada quando apanho comentários depreciativos e maldosos, apesar de já levar com eles há muitos anos. Criei uma carapaça a este género de comentários que também contribuíram para aumentar os filtros na hora de escrever.

A carapaça ainda é uma fina pelicula, no meu caso, ainda escolho não escrever mais vezes do que ter de ler e ignorar. É um caminho. Detesto ter deixado de escrever "de coração aberto" tanto tempo, mas não consegui reagir de outra forma. Detesto-me por isso, por ceder, por deixar a minha pegada digital muito mais ténue só porque acho que me vou aborrecer mais se o fizer do que se não. E nem é tanto no blog, por aqui as coisas são mais ou menos tranquilas. Acontece algum tough love, mais noutros blogs onde escrevo (como o Delito e o És a Nossa Fé), mas também nestes ainda há a discussão saudável, ou opiniões que são mesmo isso, vou até mais longe, ao comentário que tenta ensinar alguma coisa (e às vezes não ensina, mas enfim, há uma boa intenção) não é desses comentários que se fala aqui.

Aquele comentário gratuito, aquele atirar de pedra, apontar o dedo inquisitório sem pensar muito. O que leva alguém a fazer um send depois de escrever um insulto, muitas vezes vindo do nada, só gratuito? Pessoalmente, acho que não fomos habituados a estruturar uma ideia para a dar depois, então fazem-se rascunhos por todo o lado. Depois, ninguém está para se retratar constantemente ou pedir desculpa, ficam ali para sempre, não nos conhecemos mesmo uns aos outros... Não sei, tento ter uma lógica e no fim não deve haver nenhuma, é assim porque as pessoas são assim e pronto. Toda a gente pode dizer o que quer, mas convenhamos que se diz muita coisa que não interessa a ninguém. Mais, ajuda ninguém a nada. 

Só que depois, que vontade há em ficar numa página, perfil ou blog onde só há ofensas e insultos? Quem é moderado afasta-se ou simplesmente cala - é o que me acontece - porque não está para se aborrecer ou ser alvo de trolls e se deixa de ser divertido ou interessante, perde-se a ligação. Gostava que houvesse um movimento, uma corrente, mas uma coisa orgânica, uma vontade no fundo,  de bons comentários, ou comentários francos, mas que ajudassem a diluir os outros, nada tem de desaparecer, na minha opinião não se apagam comentários salvo raras excepções e essas ficam ao critério de cada autor ou marca. 

É científico

Pi, 16.02.16

Se, numa rede social, alguém comenta uma imagem de um dos seus contactos, dirá qualquer coisa como "bela foto", "granda pic", "boa chapa".

Já no caso de se tratar de uma publicação de uma figura pública há um esforço da parte do comentador, e nada será menos que: "Belíssima imagem", "Retumbante! Avassalador!", "Soberbamente estonteante". Se for comentário a um escritor então, o debitar do dicionário dispara.

Calma. Tudo é válido. Pessoalmente preferia um meio termo sem critérios bajuladores. Ou ficam nervosos? Use-se o português, que é vasto. Mas não sejamos pindéricos.