Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Da vida de Pi

Da vida de Pi... nilla. Uma espécie de director's cut, vá. Vivo de ler e escrever. De ler escritas, de escrever leituras, de debater termos e criar frases. Aqui escrevo da vidinha. Vidinha de Pi, é isso.

Extras de DVD. *Pode conter SPOILERS*

Pi, 30.01.14

Vejo extras de dvd, sim, assumo tudo. Um dia aventurei-me pelos do Senhor dos Aneis e adorei. Ver o Shire nascer e outras coisas, foi prolongar mais um pouco os filmes já vistos e revistos. Desde aí geralmente espreito os extras, sempre à espera de uma pepita no meio de cabos, digitalizações e adereços. Sei que há quem não goste. E eu percebo, no West Side Story fiquei traumatizada com a descrição do sofrimento que foi ensaiar a cena da garagem, esse ícone. *estala os dedos com os braços encostados à barriga* 

Nas duas últimas semanas revi os Indiana Jones, os 4, da Arca à Caveira. Gosto sempre, e o meu preferido continua a ser a Grande Cruzada. Gosto de todos, mas esse tem mais alguma coisa apesar de não ter pontes aterradoras, esferas gigantes e perseguidoras, até o bicharedo é supostamente menos repugnante (supostamente porque ratazana é coisa para me fazer gritar mais). Se calhar a coisa que tem é o Sean Connery, ou as charadas no final para chegar ao cruzado. Ou a altura em que o vi no cinema. Não sei, sei que gosto muito dele. E dos outros. Até do último, senhores. Agora quando o revi pensei "eu não sei se gostei muito deste, mas não me lembro de o ter detestado". E não, tem momentos totalmente Indy e é isso que se quer num Indiana Jones. 

E dos extras? Ah pois, dos extras. Nos três primeiros não são tão bons, são documentários e tal, mas não se faziam a pensar num dvd na altura (embora eu me lembre de ver documentários sobre o Templo Perdido melhores que o que lá está, ou talvez eu fosse pequena e tudo me parecesse mágico). Mas no quarto já são uma coisa como deve ser, e entre bons pormenores - vide por exemplo explicação de como aliens não eram aliens mas parecem aliens, entre Lucas e Spielberg - achei uma das tais pepitas. Segue o spoiler. 

Picture it: John Williams e a banda sonora. Além do incontornável tema principal criou outros para este filme, um para a personagem da Cate Blanchett e tal, tudo muito bem. Há imagens da orquestra a ensaiar, John Williams e maestro presentes. Numa cena despretensiosa, vistos de trás, Williams e Spielberg que diz ao compositor que é o único homem além de outro que ele conhece que merece usar... e dá-lhe um chapéu. Do Indiana, percebem??aaaawe... derreti. Vivo para estas coisas, pronto. 

 

Fica no meu blog porque eu me percebo.